Movimento Roessler lança campanha de financiamento coletivo para comemoração dos 40 anos

Fundado em 1978, o Movimento Roessler de Defesa Ambiental com sede em Novo Hamburgo comemorará 40 anos de muita atividade em 2018. Para marcar a data, a entidade está lançando uma série de produtos. 

A meta é atingir R$ 12 mil em contribuições. A arte dos produtos foi desenhada pela ilustradora Silvana Santos e as camisetas são produzidas pela marca gaúcha Vertentes.

A campanha está sediada no site catarse.me e estará no ar somente até 20 de janeiro de 2018.

 

 

 

Anúncios

Curicaca realiza seminário sobre a construção de soluções nas Unidades de Conservação com enfoque no Parque Nacional da Lagoa do Peixe

Captura de Tela 2017-11-03 às 18.50.53
No dia 13 de novembro, o Instituto Curicaca organiza o seminário Construindo soluções em Unidades de Conservação com enfoque no Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS). O objetivo do evento é debater desafios e oportunidades na unidade de conservação gaúcha, assim como discutir modelos para geração de renda sustentável da comunidade local.

O gestor do parque nacional, Fernando Weber, estará no evento e irá ministrar uma palestra sobre o tema Percepções sobre os interesses que podem gerar divergências de visões sobre o parque. Representantes do ICMBio, do Ministério do Meio Ambiente, de prefeituras e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul já estão confirmados no evento.

Para se inscrever, é preciso preencher o formulário online (disponível aqui). No ato de entrada no seminário será cobrado o valor de R$5 para apoiar os custos do evento. Continuar lendo

AGAPAN vende camisetas com foco na sede própria

Com foco na obtenção de recursos para construir uma sede própria, a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), que desde 1971, ano de sua fundação, atua de forma 100% voluntária em defesa do meio ambiente, lançou uma nova linha de camisetas temáticas. São cinco modelos em diversas cores e tamanhos.
O valor de cada camiseta, que pode ser adquirida nos vários espaços onde a entidade realiza suas atividades (fique atento no Facebook), é de R$ 50,00. Os associados, que já contribuem anualmente com a entidade, podem ter desconto de 20%.
Adquira a sua camiseta e ajude a angariar recursos para construir a sede da AGAPAN e fortalecer as atividades em defesa do ambiente natural.

Justiça suspende votação do Projeto de Lei do Arboricídio por falta de audiência pública

O Juiz de Direito Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, suspendeu às 15h30min desta segunda-feira (23/10) a tramitação do Projeto de Lei Complementar (PLC) 08/2017 de autoria do Vereador Maluco do Bem, na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, que permite a supressão da vegetação por particulares.

A decisão vai vigorar até decisão final do Juízo. Observou o  juiz que as entidades, seguindo o disposto na Lei Orgânica de Porto Alegre,  solicitaram a realização de audiência pública em tempo hábil de forma a haver maior debate acerca dos possíveis impactos ambientais do PLC.  O projeto de lei estaria na pauta dos vereadores na sessão desta tarde e por isso a decisão em caráter urgente. O pedido cautelar dos autores também solicita que a matéria seja examinada pelo Conselho Municipal do Meio Ambiente de Porto Alegre.

Para o magistrado, o estabelecido pelo projeto, em princípio, não se coaduna com a proteção ambiental.  Lembrou também que há parecer da Procuradoria-Geral da Câmara de Vereadores afirmando que alguns dos dispositivos previstos no projeto são inconstitucionais pois padecem de vício de iniciativa ao regrarem o funcionamento da administração municipal.

A Ação foi impetrada por diversos Advogados em nome da AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural, IGRE – Associação Sócio-Ambientalista, Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais – InGá, e a União pela Vida.  (Proc. 9046856-11.2017.8.21.0001)

Veja também:

Giovani Gregol faleceu em Porto Alegre

Captura de Tela 2017-10-14 às 17.53.42

O ex Secretário Municipal do Meio Ambiente e, membro do Conselho Superior e diretor da AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural em várias gestões na década de 1980/90, Giovani Gregol, faleceu nesta sexta-feira aos 59 anos de idade. Seu corpo foi velado hoje, sábado (14/10/2017), no Cemitério Martinho Lutero, em Porto Alegre. A cerimônia de adeus ocorreu às 16h. O corpo do Gregol será levado ao Crematório de Canela.

Gregol foi casado com Verena Daroldi Gregol.

Giovani Gregol era professor de História em escolas de 1º e 2º Graus. Foi vereador pelo PT em Porto Alegre em duas legislaturas, 1989/1992 e 1993/1996. Foi Secretário do Meio Ambiente da Capital gaúcha sucedendo Caio Lustosa, na gestão de Tarso Fernando Herz Genro. Depois, integrou o PV e, ultimamente, participava do PMDB.

Como militante ambientalista, participou de forma atuante na efetivação  do Parque Estadual de Itapuã, na criação de diversos grupos ecológicos, como, por exemplo, o Grupo Deite na Grama, na realização do primeiro encontro estadual de entidades ecológicas realizado em Santa Maria, em 1984, dentre outras realizações.  Como vereador, teve atuação muito forte na proteção aos animais e na defesa de praças e da arborização de Porto Alegre.

 

Entidades da APEDeMA/RS, entre outras, apóiam petição pública contra projeto de lei em Porto Alegre que facilita o corte de árvores

LOGOA própria APEDeMA/RS ,  a federação das entidades ambientalistas do Rio Grande do Sul, assina a petição dirigida aos vereadores e vereadoras de Porto Alegre, juntamente com entidades associadas como o INGÁ, a AGAPAN, o Mira-Serra, a União Pela Vida, o Instituto Econsciência, o Núcleo Amigos da Terra Brasil, todos com sede na capital, entre outros, assinam a manifestação contra a aprovação de Projeto de Lei proposto na Câmara Municipal de Vereadores – Projeto de Lei PLCL Nº 08/17  (veja textos e tramitação) pelo vereador Maluco do Bem.

A solicitação para que o projeto seja retirado pode ser assinado pelo cidadão  neste  endereço. 

Pelo manifesto, o projeto pode alterar a realidade de vegetação de Porto Alegre colocando em risco o patrimônio ambiental ao abrir a possibilidade de que as pessoas físicas e empresas façam “o que bem entenderem com as Árvores, não garantindo critérios técnicos – retirando maior responsabilidade da SMAMs – que, com seus técnicos, tornou nossa cidade bela, da forma como está”.
Continuar lendo