AGAPAN realiza encontro sobre a história e o futuro do movimento ambientalista

Com a forte presença de ambientalistas históricos e muita juventude, o  Auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRGS sediou na noite desta segunda-feira (11/9/2017)  duas palestras: a da historiadora Elenita Malta, sobre a história da AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e, em conseqüência, do movimento ambientalista em nosso Estado, e do jornalista Roberto Villar Belmonte, sobre a necessidade do ambientalista sair do seu nicho e falar mais para a sociedade, como atividade básica para ampliar as aceitações das teses do movimento e evitar retrocessos. A mesa dos trabalhos foi conduzida pelo presidente da entidade AGAPAN, Francisco Milanez, que promoveu o encontro que faz parte do ciclo AGAPAN Debate.

Elenita narrou diversas atuações de Lutzenberger e da Agapan e concluiu que o termo “sustentabilidade” como vem sendo utilizado hoje poderia ser considerada uma “ecopornografia”.  Villar destacou que falta comunicação ao movimento ambientalista e que o jornalismo que defende é aquele que serve à transformação da sociedade.

Na platéia, a filha de José Lutzenberger, Lilly, o professor Luis Rios de Moura Batista, o jornalista José Fonseca, a geógrafa Káthia Vasconcellos Monteiro, o advogado Beto Moesch, o monge budista Celso Marques, a professora Conceição Carrion, o professor Darci Campani, o engenheiro ambiental Eduardo Quadros, a professora Sandra Mendes Ribeiro, o jornalista Heverton Lacerda, o fundador da Agapan e professor Alfredo Gui Ferreira, a bióloga Karin Potter, entre outros.

O evento foi filmado e será colocado à disposição dos interessados em alguns dias no canal da AGAPAN no YouTube.  Fotografias de Sandra Mendes Ribeiro e Adriane Bertoglio Rodrigues.

Anúncios

Movimento Roessler posiciona-se contra Tecnosinos, da Unisinos, no Parque Balduíno Rambo

Captura de Tela 2017-08-27 às 19.46.54Anunciada há algumas semanas a intenção da UNISINOS avançar sobre área da Reserva Florestal Parque Balduíno Rambo, o presidente do Movimento Roessler de Defesa Ambiental, Arno Kayser, publicou  contraponto enérgico em artigo publicado no Jornal VS na última sexta-feira, 25/8/2017:

Parque Balduíno Rambo

Lemos com tristeza a notícia de que a Unisinos está solicitando ao governo do Estado uma área do Parque Balduíno Rambo para expansão do Tecnosinos. Logo ficamos imaginando como reagiria o homenageado ao saber da notícia. Balduíno Rambo lutou muito para proteger esta área e  não ficaria contente com a ideia. Já no passado, se pretendia implantar um distrito industrial.

Mas, se nos anos 40/50 os motivos para preservar a área já eram fortes, imagina nos nossos dias. Trata-se de uma das últimas grandes áreas verdes preservadas na região metropolitana no eixo da BR-116. E próximo há áreas  desocupadas já bem alteradas que poderiam abrigar o empreendimento do Tecnosinos. Como exemplo citamos a área junto ao entroncamento da BR-116 e BR-448 abandonada há anos.

O Parque Balduíno Rambo precisa de mais proteção para que continua seu papel de área verde estratégica da região. Os próprios empreendedores que vierem a se somar ao projeto do Tecnosinos por certo não ficariam confortáveis em saber que sua empresa está sendo implantada em substituição a uma das últimas áreas verdes de grande porte de todo o Vale do Sinos. Não cremos que seja este o desenvolvimento tecnológico que realmente se espera nos dias atuais em que a proteção da natureza conjugada com o avanço tecnológico é cada vez mais presente.

Imaginamos que, se hoje vivo, o padre Rambo certamente estaria lutando para consolidar o espaço como uma zona de pesquisa e lazer para toda a população. Por isto defendemos que se considerem outras alternativas para a localização do Tecnosinos do que avançar numa área com uma vocacão tão nobre para a defesa da vida da região, e se avalie outro caminho em sintonia com o espírito do nosso tempo.

CEA participa semanalmente de programa de rádio

Captura de Tela 2017-06-04 às 10.50.58Todas as semanas, às segundas-feiras, a partir das 8h45min, o Centro de Estudos Ambientais (CEA) (https://www.facebook.com/CEAong/timeline), a primeira ONG ecológica da região sul do RS, participa do Programa Contraponto da RádioCom Satolep – 104.5 FM (http://www.radiocom.org.br/), realizando  comentário sobre ecologia política, abordando temas de interesse local, regional e global.