Audiência Pública na Assembleia Legislativa vai discutir impactos da operação da CMPC (Ex-Riocell) em Guaíba

Captura de Tela 2017-11-07 às 06.53.46.pngA AMA – Associação Amigos do Meio Ambiente e a ABA – Associação dos Moradores do Balneário Alegria  estão convocando os interessados para participar da Audiência Pública sobre os sérios impactos sofridos pela comunidade de Guaíba devido às obras e operação da produção de celulose da empresa CMPC – Celulose Riograndense, controlada atualmente por capital chileno.

A Audiência Pública foi convocada pelo Deputado Altemir Tortelli, presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa e será realizada no Palácio Farroupilha nesta quarta-feira (8/11), na Sala Adão Pretto, com início às 9h30min.

Continuar lendo

Anúncios

Artigo de Heverton Lacerda critíca opção pelo Carvão e o uso de expressões enganadoras no projeto de Lei

O Jornalista Heverton Lacerda, vice-presidente da Agapan, publicou artigo no Correio do Povo de 2/11/2017  em que critica a escolha pela implantação de uma usina termoelétrica a base de carvão em Rio Grande, sul do Estado do RS. A seguir, a íntegra:

Cinquenta tons de cinzas

A famosa estória de E. L. James, que está longe de ter unanimidade quanto à qualidade da narrativa, parece cair como luvas para uma analogia diante da proeza quase masoquista dos cinquenta deputados do parlamento gaúcho que aprovaram, no dia 24 de outubro, o projeto que institui um polo carboquímico no Pampa. Nem mesmo as expressões agradáveis “sustentável”, “ambientalmente apropriada” e “respeito ao ambiente” inseridas no texto do Projeto de Lei 191/2017 conseguem esconder a preocupação sobre o que fazer com as cinzas resultantes dos processos aplicados ao carvão mineral, que contém elevados teores de carbono em sua composição química. Tampouco, tais expressões foram suficientes para escamotear a inevitável constatação de que há riscos de impactos sociais e ambientais no processo de produção de amônia, nafta e metanol.

Não há mais dúvida de que algumas ações humanas estão acelerando a velocidade das alterações climáticas. O calor escaldante do verão e os cada vez mais frequentes tornados e vendavais são indícios claros dessas mudanças.

Mesmo vivenciando tudo isso nos dias atuais, não foram capazes os nossos 50 deputados de interromper esse projeto. Quais interesses reais se escondem por trás dessa postura coletiva quase unânime na Casa do Povo? Poderiam empresários chineses explicar isso? Aqui ninguém deu explicação alguma até o momento.

Com tantas opções tecnológicas já disponíveis para gerar energia de forma limpa, sem liberar resíduos ou poluentes, a partir dos movimento das ondas, da captação da radiação solar, da força dos ventos, por exemplo, é inaceitável que ainda sejam apresentados e aprovados projetos desse tipo, mesmo com a desculpa de gerar energia de base. Têm sido produzidos equipamentos com maior eficiência energética, ou seja, com consumo bastante reduzido em relação ao passado próximo. Incentivaram os cidadãos a trocar as lâmpadas de filamento por lâmpadas econômicas. As de LED, já popularizadas, consomem um décimo ou menos do que suas equivalentes em luminosidade. Aparelhos de TV, geladeiras, entre outros, também são mais eficientes. Quando a população de dispôs a colaborar, estava apostando que seus governantes iriam seguir o mesmo caminho. Mas, infelizmente, não é isso o que se percebe. Ao que parece, nosso governo e nossos 50 deputados perderam o passo do tempo e, anacronicamente, optam por nos impor um futuro poluído e cinza.

Agapan Debate de 13/11 vai tratar da importância da Fundação Zoobotânica para a preservação ambiental e para a Ciência

Captura de Tela 2017-11-04 às 20.30.01.jpeg

A Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul (FZB/RS), que presta inestimáveis serviços para a sociedade gaúcha, está na mira do governo para ser extinta.
Participe do Agapan Debate no dia 13 de novembro e conheça um pouco mais sobre a atuação desta importante fundação e a situação do projeto governamental que quer extingui-la.
Para apresentar o tema, convidamos o biólogo e pesquisador do Museu de Ciências da FZB/RS Glayson Ariel Bencke e o advogado Christian Ozório Kloppemburg, também da Fundação Zoobotânica. A mediação estará por conta do jornalista João Batista Santafé Aguiar, conselheiro da Agapan e editor do site agirazul.com.

AIPAN promove seminário sobre nova sede da entidade

Captura de Tela 2017-09-05 às 01.33.00No próximo sábado 11/11, a partir das 9h, os associados e apoiadores da AIPAN – Associação Ijuiense de Proteção ao Ambiente Natural estarão reunidos para o Seminário de Elaboração do Programa de Necessidades para a Sede da AIPAN.  

Será realizada uma oficina participativa para a definição das atividades, espaços e localização que caracterizarão o novo espaço. A nova sede deverá ter características permaculturais, ser uma bioconstrução, minimizar impactos no ambiente, proporcionar gestão de resíduos.

Serviço:

  • Seminário de elaboração do Programa de Necessidades para a sede da AIPAN
  • Quando? 11/11/2017, entre 9 e 15h
  • Onde? Casa do Produtor – Parque de Exposições Wanderlei Burmann, Ijuí, RS
  • Informações: Secretaria da AIPAN – secretaria@aipan.org.br ou na rua Álvaro Chaves, 326, no centro de Ijuí, ou pelo telefone local 3333-0256.

 

UPAN realiza evento internacional Nossos Rios, em 5/11, próximo domingo

A 1ª Pororoca da Nação das Águas será realizada na região de São Leopoldo neste domingo, organizada localmente pela UPAN – União Protetora do Ambiente Natural.  A atividade está sendo realizada em diversas partes do mundo, dentro da mobilização proposta pela nacional proposta pelo Movimento Nação Pachamama juntamente com diversos movimentos sociais e juristas do Brasil inteiro, principalmente junto a comunidades ribeirinhas em defesa do rio Amazonas, rio São Francisco, rio Doce, rio dos Sinos e rio Camaquã. 

Serão realizadas manifestações sociais e artísticas.

Continuar lendo

Entidades conseguem na Justiça a suspensão do projeto do arboricídio

  • Ambientalistas também questionam falta de atividade e intervenção da Prefeitura na escolha de entidades para o Conselho Municipal do Meio Ambiente.

O juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública da Capital, determinou nesta segunda-feira (23), na ação cautelar n. 9046856-11.2017.8.21.0001, a suspensão do polêmico projeto de lei (PLCL 008/17) de autoria do vereador Moisés Barboza que altera a lei de proteção da vegetação em Porto Alegre.
Na quinta-feira (19), o juiz já havia determinado, na Ação Civil Pública n. 9039978-70.2017.8.21.0001, que o Município explique o motivo de o Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comam) estar inativo desde janeiro, assim como a iniciativa do governo de alterar a forma de escolha das entidades ambientalistas.

As duas ações foram propostas em conjunto pela Associação Gaúcha de Proteção do Ambiente Natural (Agapan), Associação Socioambientalista (Igré), Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (Ingá) e União Pela Vida (UPV).  Continuar lendo

Entidades de Pelotas defendem transparência e debate público nas alterações do Plano Diretor

Em reunião com chamamento público e manifestação livre, realizada na tarde desta segunda-feira  (23.10), na Câmara de Vereadores de Pelotas, que contou com a presença de diversas entidades, incluindo o Centro de Estudos Ambientais – CEA, movimentos sociais, vereadores e representantes de parlamentares e pessoas interessadas, foram discutidos diversos aspectos do Plano Diretor de Pelotas/RS, com destaque para a forma como é modificada, considerado que não é transparente e nem democrático, contrariando o que estabelece o Estatuto da Cidade e a Constituição Federal.

As entidades presentes convergiram unanimemente no sentido de que o método empregado pelo governo municipal, através da Secretaria de Gestão da Cidade e Mobilidade Urbana (SGCMU) e pelo Conselho do Plano Diretor (CONPLAD) (cuja legitimidade também foi questionada, por motivos legais e políticos) foi apressado e não permitiu um debate amplo, técnico e profundo com a sociedade e com a academia, que há anos estuda e produz conhecimento sobre a cidades e suas relações.
Continuar lendo