Comissão de Meio Ambiente da Assembleia vai debater extinção da Zoobotânica

AP 26.04 - CONVITE -  FZB E ZOO.jpg

Anúncios

AGAPAN debate o Cristianismo e a Natureza

Captura de Tela 2017-04-05 às 11.35.45

“Cristianismo e Natureza, a posição da Igreja diante da degradação dos biomas brasileiros” é o tema central do Agapan Debate, que acontece na próxima segunda-feira (10/04), às 19h, com entrada franca, no auditório da Faculdade de Arquitetura da Ufrgs. Convidados pela Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), participam do debate o frei Luiz Carlos Susin e o jurista e procurador de Justiça aposentado, Orci Paulino Bretanha Teixeira.
Frei Susin antecipa que em sua palestra sobre “Cristianismo e natureza: etapas de uma relação poliédrica com tumultos e sucessos” pretende fundamentar sobretudo no teólogo Jürgen Moltmann e no historiador Jacques Le Gof, abordando ainda o livro que escreveu com meu confrade, “A vida dos outros – ética e teologia animal”.
Já Teixeira, em sua palestra sobre “O destino comum dos bens: uma visão jurídica” vai adequar o tema do Agapan Debate à Carta Encíclica “Laudato Si”, do Papa Francisco, e a textos por ele publicados, como “O direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado como direito fundamental” e o livro eletrônico “A fundamentação ética do estado socioambiental”.

De acordo com o mediador da mesa, o filósofo e diretor budista Celso Marques, que presidiu a Agapan por três gestões, a escolha do tema se deve ao lema da Campanha da Fraternidade deste ano, definida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB): ‘Fraternidade: Biomas brasileiros e defesa da vida’, ou seja, cuidar dos biomas brasileiros é uma questão de fé e cidadania.

 O assunto foi sugerido pela recente edição da Carta Encíclica Laudato si – Sobre a Casa Comum, divulgada pelo Papa Francisco em 24 de maio de 2015. Veja a íntegra.  Nela são abordados, com profundidade, temas ecológicos, éticos e o consumismo, motivadores uma nova postura da Igreja Católica frente às sérias questões que assolam “a nossa casa comum”, o Planeta.
Na verdade, o que vai permear os debates são questões teológicas/filosóficas/ecológicas que apontam para um novo paradigma com relação a essa revolucionária encíclica papal”, antecipa Marques.
DEBATEDORES
Sobre a situação de degradação que atinge não apenas o Pampa gaúcho, mas os demais biomas brasileiros, a Agapan convidou para avaliar o papel e a interferência da Igreja e das religiões nessa defesa o frei Luiz Carlos Susin, doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, professor na PUC e na Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, de Porto Alegre. Foi secretário Geral do Fórum Mundial de Teologia da Libertação, durante o Fórum Social Mundial e, pela sua obra (29 livros e numerosos artigos e palestras), recebeu o Prêmio Jabuti de Literatura Religiosa no ano 2000.
Orci Bretanha Teixeira é o outro debatedor. Procurador de Justiça aposentado (Ministério Público do Rio Grande do Sul), mestre em Direito e doutor em Filosofia. Lecionou na Faculdade de Direito da PUC e na Fundação Escola Superior do Ministério. Atualmente é advogado.
Celso Marques, mediador, ecologista, ex-presidente da Agapan de 1986 a 1993 e conselheiro. Bacharelado, com licenciatura em Filosofia na Ufrgs, universidade da qual é professor aposentado de Filosofia do Colégio de Aplicação. Monge budista da tradição Sotô Zen, atualmente dirige o Instituto Zen Maitreya, sendo monge orientador do Zendo do Diamante, em Porto Alegre, além de escritor, violonista, compositor popular e poeta.
Evento no Facebook

Divulgação: Imprensa Agapan, com edição

 

Movimento Roessler lança filme sobre a sua história

Captura de Tela 2017-03-10 às 08.34.14.jpegPrograme-se para ir a Novo Hamburgo e prestigiar o lançamento do documentário em vídeo sobre “Movimento Roessler – A Trajetória de uma entidade ecológica“.
O evento ocorre na segunda-feira, 20 de março de 2017, 19h30min, na Sala Multiuso do IENH em Novo Hamburgo – Rua Frederico Mentz, 526 –
Bairro Hamburgo Velho.
Várias gerações de militantes participam do vídeo, produzido por alunos da FEEVALE em 2016. Um colaborador da entidade foi o editor do material.
Destaque, entre outras grandes participações, para o depoimento do Professor Schmeling, fundador e um dos mais ativos colaboradores que o próprio Henrique Roessler teve em vida.
Trata-se de  registro de uma das mais importantes páginas do Movimento Ecológico Gaúcho.
A organização pede a confirmação da presença até dia 16/3 pelo email movimento@roessler.org.

Zona Sul de Porto Alegre e a especulação imobiliária é o tema da próxima Quarta Temática, dos Amigos da Terra Brasil

captura-de-tela-2016-10-23-as-21-21-21

A próxima Quarta Temática promovida pelos Amigos da Terra Brasil terá como tema a especulação imobiliária da Zona Sul de Porto Alegre.  O evento iniciará dia 26 de outubro às 18h30min, na sede da entidade, na rua Olavo Bilac, 192, bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, RS.  Continuar lendo

Exposição no Museu de Arte do RGS marca os 45 anos da AGAPAN

A abertura será nesta quinta-feira, às 18h30.

captura-de-tela-2016-10-06-as-06-40-23

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli convida para a exposição É VIDA! AGAPAN – 45 ANOS, com abertura dia 6 de outubro, às 18h30min, no MARGS.

A mostra, com curadoria de André Venzon, reúne cerca de 100 artistas visuais e escritores com obras em aquarelas, desenhos, pinturas, gravuras, fotografias, arte digital e textos poéticos. A exposição pode ser visitada até 13 de novembro de 2016, nas galerias Ângelo Guido e Pedro Weingartner, com entrada franca.

A densa arborização de Porto Alegre não seria a mesma, se há 45 anos José Lutzenberger, Augusto Carneiro, Caio Lustosa, Alfredo Gui Ferreira, entre outros ambientalistas, não houvessem criado a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural – AGAPAN. Com o apoio do Instituto Estadual do Livro – IEL, a mostra vem homenagear a entidade, através de artistas visuais e escritores, em respeito a esta histórica associação que tem como lema A VIDA SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR.

Continuar lendo

Educação Ambiental no Parque Natural Municipal Morro José Lutzenberger, em Guaíba

O encontro teve início no Píer da Av. João Pessoa, onde 20 estudantes da turma 304, acompanhados do professor Lugon Lewandowski, juntaram-se aos integrantes da AMA, o Biólogo Tomaz Casadio e o Engenheiro Ambiental Eduardo Raguse. Olhando para o verde do Morro, o grupo relembrou o processo de criação desta Unidade de Conservação (UC), da qual os estudantes tiveram grande participação ajudando a lotar a Câmara de Vereadores de Guaíba nas históricas audiências públicas realizadas, reivindicando seu direito ao lazer e à complementação de seu ensino escolar junto a um ambiente natural.

Rememoraram também a vida de José Lutzenberger e as lutas do ambientalismo gaúcho, dentre elas, os quase 45 anos de luta para que os processos de produção de celulose na zona urbana de Guaíba degradem menos a qualidade do ambiente e representem menos riscos à população, questões que, devido à quadruplicação de sua capacidade produtiva, voltam a impactar o dia a dia dos moradores e dos estudantes. A Escola Augusto Meyer é uma das mais afetadas pelo odor e pelos particulados oriundos da empresa, tendo em vista estar no caminho da direção predominante dos ventos.

Captura de Tela 2016-10-10 às 21.11.32.jpeg
Encontro no pier, com o Morro como moldura da paisagem

Após este momento, a turma se deslocou até o Parque pela Rua 7 de Setembro, já observando espécimes da flora como o Cipó-de-São-João (Pyrostegia venusta) espécie nativa com alto potencial ornamental devido à suas abundantes flores alaranjadas e o Maracujá-de-Estalo (Passiflora elegans) espécie frutífera ameaçada de extinção (a área possui mais de 250 espécies de flora nativa). Observaram com espanto as grandes estruturas das casas que têm como fundos a área da UC, bem como encontraram alguns matacões que rolaram até a calçada devido à ação das chuvas e da falta de cobertura vegetal de algum ponto da encosta do Morro. Conheceram também a antiga “Bica da Sete de Setembro” local onde a população buscava água pura para beber e que hoje está desativada, restando apenas parte de sua estrutura original.

  • Veja a matéria na íntegra no site da AMA – Amigos do Meio Ambiente, de Guaíba, RS.
Fonte: ASCOM AMA  Fotos: Tomaz Casadio e Eduardo Raguse

AMA Guaíba: zoneamento para mineração de areia no Guaíba não tem embasamento técnico adequado

amaEm meio a um cenário de incertezas quanto às reais causas e consequências das alterações de sabor e odor da água que, há cerca de um mês, chega às torneiras da população abastecida pelo Guaíba, e que dão uma demonstração das fragilidades de nosso manancial, dos órgãos de controle ambiental, e dos sistemas de abastecimento públicos.

Está em discussão no Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba uma proposta de zoneamento para mineração de areia no Guaíba. A SEMA – Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, demandada pelo setor da mineração, apresentou para avaliação dos membros do Comitê um documento intitulado “Zoneamento Ambiental para Atividade de Mineração no Lago Guaíba” que deveria embasar tecnicamente a proposta.

 

Apesar do curto tempo disponibilizado, a AMA – Associação Amigos do Meio Ambiente, de Guaíba, realizou consultas e discussões com técnicos/as das diversas áreas pertinentes ao tema (Engenheiros/as Ambientais e Químicos/as, Biólogos/as, Geólogos/as, e Sociólogos/as) e sintetizou as informações e pareceres obtidos em uma análise que foi encaminhada ao Comitê, como posicionamento neste debate.

Abaixo seguem as conclusões da avaliação:

Continuar lendo