Agapan visita região ameaçada por mineradora no Pampa gaúcho e leva apoio à população

Denominado Projeto Caçapava do Sul, empreendimento de mineração da Votorantim Metais (Nexa Resources) pretende explorar cobre, zinco e chumbo em mina a céu aberto e coloca em risco a bacia do rio Camaquã.

Em A área de 21.657 km², a Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã estende-se por 28 município gaúchos, onde residem 356 mil habitantes, conforme dados do Comitê de Gerenciamento da Bacia.
Com o objetivo de intensificar a luta em defesa do bioma Pampa, em especial a bacia do rio Camaquã, comunidades, fauna e flora da região, integrantes da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) embarcam em Porto Alegre neste sábado (13) rumo à Palmas, localizada na região da Campanha gaúcha.
A comitiva, composta por associados e apoiadores da entidade, será recebida por moradores de Bagé e terá o reforço de uma turma de alunos da Universidade Federal de Pelotas, que estará acompanhada do professor Althen Filho, também associado da Agapan.

Desenvolvimento sustentável é a melhor opção

Conforme o presidente da Agapan, biólogo, arquiteto e professor da Universidade Federal de Rio Grande, Francisco Milanez, “além de comprometer o desenvolvimento sustentável, que pode ser ampliado, a mineração coloca em risco várias espécies endêmicas – que só existem na região – como, por exemplo, a espécie de peixe Austrolebias camaquensis (foto), recentemente descoberto.”

“A nossa preocupação está relacionada com os impactos ocasionados pela mineração, já que os danos ambientais são irreversíveis”, afirma o vice-presidente da entidade, jornalista Heverton Lacerda. “O setor de mineração é acusado, em diversos locais do mundo, por crimes ambientais e trabalhistas”, recorda o ambientalista. Não menos preocupante, são os impactos sociais ocasionados pelas atividades de mineração, que interferem diretamente nos deslocamentos de populações, afetando, de forma dramática, a realidade local onde os empreendimentos são instalados.
O Camaquã é um dos poucos rios ainda preservados no Rio Grande do Sul, estado que, vergonhosamente, figura três vezes na lista dos dez rios mais poluídos do Brasil.
Vídeo publicado no You Tube mostra que a pesca ainda é possível.

Notícia relacionada

  • O Conselho Estadual de Direitos Humanos do Rio Grande do Sul (CEDH-RS) expediu recomendação à Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para que não seja concedida a licença prévia de instalação e de operação para o projeto. Matéria publicada no jornal Sul 21
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s