Audiência Pública na Assembleia Legislativa vai discutir impactos da operação da CMPC (Ex-Riocell) em Guaíba

Captura de Tela 2017-11-07 às 06.53.46.pngA AMA – Associação Amigos do Meio Ambiente e a ABA – Associação dos Moradores do Balneário Alegria  estão convocando os interessados para participar da Audiência Pública sobre os sérios impactos sofridos pela comunidade de Guaíba devido às obras e operação da produção de celulose da empresa CMPC – Celulose Riograndense, controlada atualmente por capital chileno.

A Audiência Pública foi convocada pelo Deputado Altemir Tortelli, presidente da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa e será realizada no Palácio Farroupilha nesta quarta-feira (8/11), na Sala Adão Pretto, com início às 9h30min.

Na audiência serão expostos pelos moradores os impactos crônicos sentidos dia e noite, provocados empresa, tais como:

  • – Altos níveis de ruído (mesmo à noite);
  • – Forte odor (derivado de compostos de enxofre e outros);
  • – Materiais particulados (das chaminés), serragem (do picador e pátio de madeira) e espuma (da Estação de Tratamento de Efluentes) que caem sobre suas residências;
  • – Exposição à riscos derivados de possíveis acidentes ocorridos na empresa (já ocorreram vazamentos de cloro, um incêndio e um grande acidente na caldeira), sem o devido preparo da população do entorno de como agir em caso de acidentes que os atinjam;
  • – Estrangulamento da malha viária local a uma única via de acesso da zona sul da cidade de Guaíba ao centro.

Em nota publicada em seu site (ver) a AMA-Guaíba afirma que a participação na Audiência Pública é fundamental como forma de pressão para que “a empresa arque com responsabilidade de manter suas operações junto a residências e escolas sem acabar com a qualidade de vida dos moradores, que FEPAM e Ministério Público cumpram seus papeis de fiscalizadores e se posicionem ao lado da população, que a Prefeitura Municipal de Guaíba não se exima de promover alterações no seu Plano Diretor para que a saúde, bem estar e segurança da comunidade sejam assegurados, e que a Assembleia Legislativa investigue os fatos ligados ao processo de licenciamento ambiental da quadruplicação da capacidade produtiva da planta da CMPC em Guaíba, afim de apurar possíveis irregularidades”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s