Deputado Luiz Fernando Mainardi (PT) desiste de projeto que liberava parques eólicos de EIA

Captura de Tela 2016-08-23 às 22.26.55A EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais publicou nesta terça-feira (23/8) a seguinte nota do jornalista Ulisses A. Nenê:

O Núcleo de Ecojornalistas (NEJ-RS) recebeu, na tarde desta terça-feira (23,) um telefonema do chefe de gabinete do deputado estadual Luiz Fernando Mainardi (PT), Cláudio Pereira, informando que o parlamentar desistiu do projeto de lei 341/2015, que liberava projetos de grandes parques eólicos da obrigatoriedade do Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima). A proposta encontrou grande oposição entre os ambientalistas, que lançaram um manifesto assinado pela Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), Ingá, Instituto Mira-Serra, Movimento Gaúcho de Defesa do Meio Ambiente (Mogdema) e Núcleo de Ecojornalistas (NEJ-RS).

Ela alterava o Código Estadual do Meio Ambiente (Lei nº 11.520, de 03 de agosto de 2000) no trecho do Capítulo IX que trata do Estudo de Impacto Ambiental (EIA). O projeto, que dizia flexibilizar a legislação ambiental, na prática reduzia a proteção ao meio ambiente ao substituir a exigência de Estudo de Impacto Ambiental pelo Relatório Ambiental Simplificado (RAS), para empreendimentos de geração de energia elétrica de fontes renováveis para projetos de até 1.000 MW (mil megawatts) de capacidade instalada, o equivalente a três ou quatro vezes mais que o Parque Eólico de Osório.

Na sessão da Comissão de Saúde e Meio Ambiente em que seria votado o projeto, dia 03 de agosto, os representantes da Agapan e NEJ presentes deixaram claro aos deputados que as ONGs são a favor de projetos de energia renovável, como a eólica ou a energia solar (fotovoltaica), mas desde que sem nenhum retrocesso na legislação ambiental. Na ocasião, o projeto foi retirado da pauta pelo presidente da Comissão, deputado Valdeci Oliveira (PT), e não foi analisado pelos parlamentares. Posteriormente, a pedido do deputado Pedro Ruas (PSOL), foi agendada uma audiência pública, que discutiria o tema no próximo dia 31 de agosto, na Assembleia Legislativa.

Mas, diante da repercussão negativa, Mainardi recuou e retirou o projeto, por meio de um requerimento encaminhado ao presidente da casa no dia 18 de agosto. “A Agapan parabeniza o deputado Mainardi por essa atitude de reconhecer a nossa preocupação e da sociedade com o avanço na destruição da legislação ambiental”, disse o presidente da Agapan, Leonardo Melgarejo. Ele também ressaltou o papel dos deputados da Comissão ao pleito das ONGs, por mais discussão do projeto, em especial o apoio do presidente, Valdeci Oliveira, de Tarcísio Zimmermann (PT), que solicitou espaço à manifestação dos ambientalistas na outra sessão, e do deputado Pedro Ruas, que encaminhou o pedido de audiência pública. Segundo Melgarejo, este episódio “ajuda no fortalecimento do trabalho coletivo e nos esforços de organização que aproximam as ONGs para atuarem juntas”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s